12/02/2016

Você está convocado!


Embora tenham perdido boa parte de seu prestígio editorial para Os Vingadores, os X-Men continuam muito populares, a ponto de o núcleo de protagonistas ocupar nada menos que quatro títulos diferentes quando começou o evento Marvel NOW!, em 2013. 

Outra prova de seu valor está no destacado time de escritores: Simon Spurrier (vindos dos notórios títulos britânicos 2000 A.D. e Juiz Dredd) em X-Men: Legacy; Brian Wood (de ZDM e Vikings, da Vertigo) em X-Men; e o mais famoso deles, um dos arquitetos do que a Marvel se tornou ao longo dos últimos 15 anos, Brian Michael Bendis (de Demolidor e Vingadores) tomando conta de dois títulos, All-New X-MenUncanny X-Men.

É este último que tem reunidos neste volume suas cinco primeiras edições. Fabulosos X-Men - Revolução traz a equipe montada por Ciclope após os eventos da minissérie Vingadores vs. X-Men, ao fim da qual, possuído pela Força Fênix, Scott Summers matou o professor Charles Xavier. Com o fim da possessão, ele foi resgatado por Magneto e Magia, reunindo-se posteriormente a Emma Frost. Mesmo com seus poderes oscilando perigosamente, os quatro assumem a tarefa de proteger mutantes, em todo o mundo, do ódio e da perseguição.

Os uniformes da equipe parecem refletir essa disfuncionalidade. Ciclope usa um visor em X que se estende por todo o elmo, mas parece cobrir sua visão exatamente onde os olhos parecem estar. Um Magneto calvo e de roupas brancas usa um capacete ainda mais fechado que antes, lembrando a mim daquele usado por Sauron, nos filmes de O Senhor dos Anéis. Emma Frost, a Rainha Branca, agora traja preto da cabeça aos pés. Por fim, Magia carrega consigo uma espada que parece maior do que ela própria.

Apesar disso, preciso dizer que amo esta capa. Tudo nela, do desenho ao logotipo, além da equipe em si, carrega urgência política e perigosa beleza.

Tendo feito o que fez, Ciclope tornou-se, naturalmente, persona non grata para as demais equipes X e para gente como a SHIELD e os Vingadores. Todavia, isto não o intimida. Em Revolução, ele é o rosto do orgulho mutante, viralizando sua mensagem pela internet, inspirando jovens perseguidos por sua natureza a resistirem à opressão e assumirem o controle das próprias vidas. Alguns deles, como os novatos Christopher Muse (Triagem) e Eva Bell (Tempus), já acompanham o grupo em suas missões.

Muitos anos atrás, quando eu ainda acompanhava seu trabalho com regularidade, pareciam existir dois Brian Michael Bendis: um que era capaz de deixar personagens imóveis por páginas, tendo as conversas mais complexas, e, ainda assim, ser divertido e nada pretensioso; e outro que primava pela preguiça, apelando a pingue-pongues verbais superficiais e irritantes. Este aqui parece um terceiro, conseguindo um bom equilíbrio entre ação e reflexão, honrando a tradição que o título sempre teve de defender os excluídos. Seus afiados diálogos sobre questões de direitos civis encontram reflexo na conturbada realidade à nossa volta. Quando trata de relacionamentos, Bendis é irônico e sagaz, mas, com leveza.

Este primeiro volume termina com um gancho abrupto, levando a equipe a terreno místico. Nos parcos extras, rabiscos do artista Chris Bachalo revelam que ele teve umas ideias bem ruins para os uniformes, que, felizmente, foram rejeitadas. Bachalo desenha as quatro primeiras histórias de maneira bem mais agradável do que minhas últimas lembranças de sua arte. A quinta parte tem os sempre bons desenhos de Frazer Irving (Sete Soldados da Vitória).

Um recomeço muito promissor para personagens cuja relevância parece variar ao sabor das turbulências sociais. Com tudo que tem acontecido no Brasil (racismo na internet, a luta pelos direitos dos gays, o enfrentamento do machismo endêmico) e nos Estados Unidos (as mortes de cidadãos negros nas mãos de uma polícia cada vez mais violenta e instável), parece que Fabulosos X-Men é um título totalmente conectado ao seu mundo e ao seu tempo. Junte-se à Revolução!

Fabulosos X-Men - Revolução
Panini Comics - 124 páginas - R$ 26,90

2 comentários:

Gerlande Diogo disse...

A capa é linda!

Do Vale disse...

Muito boa essa continuação da construção do Ciclope que vem desde lá do Morrison, deu uma revitalizada na franquia mutante nos anos 2000. Essa é o famoso COFRE na certa.